#07 | 360 milhas ao sul: Morros, pedras e um inesperado nevoeiro – dia 1

Fotografar é como procurar ovinhos de páscoa, eles estão lá mas nem sempre é fácil encontrá-los. Assim como situações e pistas que muitas vezes passam despercebidas ao nosso olhar. Para “caçar” fotografias, você tem que estar disposto, se manter inspirado e tranquilo, e é isso que procuramos constantemente, afinal é dever do fotógrafo encontrar esses “ovinhos” e compartilhá-los com satisfação. =)

No feriado de páscoa fomos caçar nossos ovinhos pessoais também e gostaríamos de compartilhar com vocês.

Saímos bem cedinho de Curitiba com destino à primeira parada da viagem, São Joaquim em Santa Catarina. Mas antes saímos um pouco da rota e entramos em uma estrada rural com destino aos Corredores de Taipa da serra próximo a cidade de Lages. Os corredores são muros feitos de pedras colocadas uma em cima da outra que foram feitas para a passagem dos tropeiros. Não fomos no ponto mais famoso dos corredores, pois desviaria umas 3 horas da nossa viagem. Por outro lado, a nossa escolha foi uma grande aventura rs, atravessamos algumas fazendas para chegar no ponto mais alto, o chamado morro 360, onde dá para ver grande parte da região.

Bom, antes de continuar fique a vontade para dar o play na música e entrar em sintonia conosco. 😉

Chegamos ao morro 360, e para nossa surpresa havia uma família morando lá e as texturas do lugar já fizeram nossos olhinhos brilharem feito estrelinhas na noite hehe. Foi um final de tarde proveitoso, conversamos com os donos da casa que são pessoas simples e receptivas. Claro, fizemos uns cliques por lá também.

Seguindo viagem, entre morros, pedras e pastagens, chegamos a tão esperada Serra do Rio do Rastro ou também conhecida “Serra dos 12”. É uma serra bastante perigosa, que tem de extensão 12 Km, as curvas são bastante fechadas, então todo cuidado é pouco. Nossa expectativa era de chegar ainda com luz por lá e poder ver toda a serra a partir de um mirante localizado no alto, mas chegando lá tivemos uma outra surpresa, como já era noite a neblina tomou conta de tudo deixando um clima totalmente diferente do que esperávamos, e foi fantástico! a neblina era tanta que conseguíamos ver apenas poucos metros à frente, como se as cortinas do palco estivessem se fechando, encerrando nossa noite.

E claro, Eddie Vedder sempre presente. <3

***

No Ceiling

Comes the morning
When I can feel
That there’s nothing left to be concealed
Moving on a scene surreal
No, my heart will never, will never be far from here.

Sure as I am breathing
Sure as I’m sad
I’ll keep this wisdom in my flesh
I leave here believing more than I had
And there’s a reason I’ll be, a reason I’ll be back.

As I walk the hemisphere
I got my wish to up and disappear
I’ve been wounded, I’ve been healed
Now for landing I’ve been, for landing I’ve been cleared.

Sure as I am breathing
Sure as I’m sad
I’ll keep this wisdom in my flesh
I leave here believing more than I had
This love has got no ceiling.

***

Quando se sonha alto e se tem alguém para sonhar junto com você, o mundo se torna pequeno e a vida curta.

Para assistir ao teaser em vídeo da viagem é só clicar aqui. Essa semana teremos mais fotos! =)

Um agradecimento especial ao Betto Mafioletti pelas dicas de rotas da viagem! e ao Chris Orwig que nos inspirou com o último livro que lemos, Poesia Visual.